Olá, pessoal!

O Partiu Europa, como você sabe, é um site de dicas de viagens para famílias com crianças, mas que aos poucos foi recebendo uma demanda enorme de perguntas de pessoas que gostariam de entender sobre como é morar na Europa; e por isso, eu resolvi fazer esse post com as dúvidas mais frequentes.

Nós, do Partiu Europa, queremos que você tenha a ideia de planejamento!

Meu intuito é que esse post lhe sirva para que você o tome como base sobre os vistos que existem na Europa, e que depois, você se proponha a estudar em qual visto você teria chances de se encaixar ou não.

Após encontrar o seu tipo de visto, eu sugiro que você mergulhe em uma profunda pesquisa sobre a documentação necessária para se ter esse visto e como de fato ele funcionará dentro do país escolhido – seus direitos e deveres.

São muitas perguntas e queremos que vocês observem um ponto em comum.

Um ponto que eu sempre alerto as pessoas que me mandam perguntas é:

Além do visto, qualquer que seja ele, você deve comprovar que você tem condições de subsistência no país. Você deve descobrir antes de pagar por toda a retirada da documentação do visto, se os valores dos seus ganhos cobrem o valor que o país entende por mínimo como substistência.

A pesquisa do como será a sua vida lá, tem que ser feita antes e nos mínimos detalhes!

Existem países, que o valor de um salário mínimo é cotado apenas para a susbsitência de uma única pessoa e 30% do salário seria a cota de uma criança. Ou seja, para uma família com 4 pessoas, a pessoa teria que ter o visto de residência, mais o valor de dois salários mínimos e mais 60% do salário mínimo, referente a subsitência das duas crianças.

Cada país tem a sua especificidade, mas com essa base você poderá fazer melhor os seus cálculos de como será a sua vida na Europa.

Lembrando que, o que mais pesa no bolso na Europa, em qualquer país, são os aluguéis e compra de imóveis. São realmente muito caros e o custo mensal leva uma boa fatia do salário.

Os vistos mais procurados: Aposentadoria e Trabalho

Visto para Aposentados

Em alguns países, o visto por aposentadoria o permite viver no país mas não o permite ter um emprego ou fazer algo de forma autônoma, isso porque, a sua entrada no país não foi autorizada com o intuito de fazer concorrência no mercado de trabalho. Por essa impossibilidade, eu sugiro que os aposentados façam muito bem os seus cálculos, porque fica quase inviável se aumentar a receita em alguns países com esse tipo de visto.

Se no seu caso, você tem o valor justinho para comprovar a subsistência e tem planos de quando chegar no país arrumar alguma coisa para complementar a renda, eu vou lhe sugerir  fortemente que faça uma boa pesquisa sobre esse mercado de trabalho que você almeja.

Essa pesquisa deve ser direcionada à situação de trabalho de aposentados COM VISTO, porque a sua aposentadoria é vista de forma diferente quando comparada a do aposentado nacional na maioria desses países. As vezes, apenas o aposentado nacional tem permição de reingresso no mercado de trabalho seja como empregado ou como autônomo.

Visto para Trabalho – Work Permit

Para pessoas que estejam interessadas em trabalhar na Europa sem ter outro tipo de visto, dupla nacionalidade ou dupla cidadania, é necessário o Work Permit.

Esse é um tipo de visto, concedido para pessoas que aplicaram seus currículos para empresas estrangeiras e são chamados para ocupar a vaga. Ou ainda, e mais comum, pessoas que já trabalham em alguma empresa onde existe a possibilidade de transferência e ocupam um cargo na própria empresa no exterior.

Esse visto de trabalho lhe coloca na condição de residente no país por expatriação. Isso significa que você terá residência em determinado país da Europa, pelo tempo que o seu visto de trabalho durar. A sua estadia, está vinculada ao tempo em que você estiver trabalhando nessa empresa que lhe concedeu a permição de trabalho.

Nesse caso, você não tem residência definitiva!

A vantagem desse visto é que em alguns países, após alguns anos de maradia com o work permit, você tem a chance de se tornar um trabalhador local solicitando a troca de contrato de trabalho de expatriado para trabalhador local e recebendo assim, o visto de residência permanente.

( Na maioria dos países o prazo é superior a 5 anos)

Mas isso tudo depende do cumprimento do tempo de estadia mínima para que você possa solicitar a residência, segundo as leis do país, e ainda a vontade da empresa em querer lhe transformar em um local.

Para quem quer tentar aplicar o currículo na Europa.

Para aplicar o seu currículo na Europa, você deve fazê-lo no modelo Europeu. É um modelo um pouco diferente para nós, e eu não aconselho que você perca o seu tempo mandando currículo fora do padrão, porque, em geral, logo na chegada eles já são descartados.

Existem algumas agências de empregos e de organização de currículos no Brasil que ajudam as pessoas com essa formatação no modelo Europeu.

Outra coisa que você deve saber, é que as vagas que são disponibilizadas para o Brasil são vagas as quais já estiveram a disposição do nacional por pelo menos 3 meses, oferecidas em jornal e imprensa de grande circulação, e não foram preenchidas. Avalie o motivo pela qual elas não foram preenchidas e descubra se você é realmente capaz de preenchê-las.

Isso é a proteção do mercado de trabalho nacional, qualquer outro estrangeiro, de qualquer nacionalidade só recebe a vaga depois que se prova que não existia um outro nacional interessado ou qualificado para o posto.

Como muita gente fala sobre Portugal como destino, eu estou deixando aqui as empresas que mais recebem currículos de brasileiros. Mas esses, já devem ser encaminhados no formato europeu. Não se esqueça!

http://www.net-empregos.com
http://www.cargadetrabalhos.net
http://www.emprego.sapo.pt
http://www.trabalhocerto.pt
http://www.indeed.pt
http://www.empregosonline.pt

Quais são as possibilidades de vistos?

E agora vamos a parte geral: Quais são os vistos que existem de forma genérica na Europa?

Visto para Estudantes

Visto de Trabalho – Work Permit

Visto Startup Visa

Visto do Empreendedor

Visto do Investidor – Golden Visa

Visto de Rendas Próprias – Aposentados, Pensionistas e pessoas que comprovadamente vivem de renda

Visto de Acompanhante de Família

Visto por Casamento

Cada um desses vistos têm as suas peculiaridades e que ainda se aprofundam mais, quando feitas as especificações do país o qual você está escolhendo para se mudar.

A pergunta que todos esquecem de se fazer antes de começar os tramistes e pagamentos para a retirada dos documentos é:

Eu tenho o valor necessário de subsistência para morar nesse país?

Eu quero que os leitores do Partiu Europa, Partiu Europa com Crianças e Partiu Portugal, estejam conscientes de que antes de se efetuar qualquer pagamento para o início do seu processo de retirada de visto ou até mesmo dupla cidadania, você deve ter certeza de que dispõe de meios para ter o valor mínimo solicitado para se viver no país mensalmente.

Um grande abraço e espero que você consiga realizar o seu sonho de morar na Europa!